Objetivos da pesquisa

TRADITION reúne uma equipe de pesquisa multidisciplinar e transnacional para abordar 4 objetivos específicos:

Investigar a importância dos recursos costeiros para as populações pré-colombianas com a introdução da cerâmica e da agricultura:

As primeiras evidências de exploração costeira na Mata Atlântica datam de 8.000 anos, quando grande parte da costa foi ocupada por caçadores-coletores pré-cerâmicos4. Há cerca de 3.000 anos, grupos produtores de cerâmica aparecem no litoral, possivelmente trazendo as primeiras evidências de agricultura5, mas não é claro se os recursos costeiros continuaram sendo explorados com a mesma frequência e intensidade6,7,8. Propomos agora coletar conjuntos de dados de alta resolução sobre a dieta, as práticas culinárias e a economia dessas comunidades costeiras antes e depois do estabelecimento da produção de alimentos. Testaremos a hipótese de que a introdução da agricultura mudou radicalmente a escala e a natureza da exploração costeira nesta região.

Avaliar o impacto das mudanças climáticas e ambientais nas populações costeiras:

As áreas costeiras subtropicais e tropicais são particularmente sensíveis às mudanças climáticas, e várias evidências apontam para o aumento da precipitação e a intensificação do El Nino no leste da América do Sul, há aproximadamente 3.000 anos atrás9. Integrado ao efeito da mudança local do nível do mar, o aumento da pluviosidade transformou ricos ecótonos aquáticos, como estuários e lagoas costeiras10,11. Determinaremos se os fatores climáticos e ambientais afetaram a exploração dos recursos costeiros no período pré-colombiano. Isso contribuirá para esclarecer o papel dos ambientes costeiros na construção de resiliência socioecológica a longo prazo e a capacidade de adaptação às mudanças ambientais.

Avaliar o desenvolvimento socioeconômico da pesca de pequena escala no contexto da colonização e da urbanização da costa da Mata Atlântica do Brasil:

A Mata Atlântica serviu de cenário para o primeiro contato entre europeus e grupos indígenas no Brasil, a introdução de culturas e animais domésticos não nativos, o maior comércio mundial de escravos africanos e o início da urbanização no Brasil. Os peixes e a pesca são geralmente invisíveis nesse complexo processo histórico12. Ainda não é clara a contribuição das pescarias para o desenvolvimento socioeconômico dos centros urbanos. Assim, investigaremos um rico registro histórico e arqueológico disponível em alguns dos principais centros urbanos do Brasil, a fim de avaliar a dimensão socioeconômica e cultural da pesca em pequena escala durante a colonização e a urbanização da costa da Mata Atlântica.

Investigar como as práticas e os eventos históricos moldaram as atuais pescarias artesanais de pequeno porte, e se esse conhecimento pode beneficiar as políticas de gestão atuais:

Estudos anteriores contribuíram para nossa compreensão dos aspectos socioculturais da pesca de pequena escala ao longo da costa da Mata Atlântica do Brasil13,14. No entanto, esses estudos são restritos a algumas gerações, com falta de perspectiva cronológica suficiente para fornecer uma avaliação abrangente das interações de longo prazo entre sociedade, cultura e ambiente costeiro. Propomos coletar informações etnográficas para analisar o perfil socioeconômico e cultural das comunidades costeiras no contexto de dados arqueológicos e históricos.